Total de visualizações de página

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

O PÃO E O SONHO

Os últimos meses do ano passado foram os mais difíceis. Por um lado a família e um amigo pressionando para um trabalho burocrático. Feliz, escrevia meu livro - mas havia a bruta realidade me empurrando para a fábrica de salsichas como em "The wall", do Alan Parker. Vocês se lembram?
Rose, a amiga do ônibus me deu um toque: faça seus biscoitos. E comecei a fazê-los. São biscoitos diferenciados: franceses, ingleses e italianos. 
Eu tinha perdido a prática. No começo saíam tortos, sem gosto, crus, quebradiços. Porém, a essência dos biscoitos eu conhecia: continuei.
E peguei o jeito.
Ontem fui visitar a Rose. Deu-me uma revista, "Padaria 2000". "Vai ser útil a você."
E foi. Descobri o que as padarias viraram: montadoras.  Elas compram a massa congelada ou em pó de pães, biscoitos, bolos, tortas. Além disso, compram outros pós que se dissolvem na água e viram mousses, pudins, doces, salgadinhos, cremes, geleias, cupcakes, sorvetes, etc. Desde os anos 90, as mega-super-hiper indústrias panificadoras entraram no país e transformaram as padarias nas mesmas fábricas de salsicha, só que com pães. Um susto. 
São gostosos? Sim, sem se distinguir mais o simulacro de um pão do que ele era. É como se comêssemos a lembrança por um engano. Que nem os camarões de cativeiro que não são mais camarões.
Mas eu sigo na contramão do império. Não vou comprar massa alguma, nem creme, nem geleia. Vou seguir minhas antigas receitas como as fiz 20 anos atrás. Biscoitinhos de nozes, amêndoas, maracujá, gengibre e mel, canela, anis,  tangerina com cardamomo, cappuccino, castanha. E os de parmezon, pimenta calabresa, allicci, gorgonzola, provolone, curry, fines herbes, and so on. Depois virão os cookies americanos e os integrais - mas vou dar um toque diferente nestes biscoitos feios e sem-graça.
Isso tudo foi para dizer que o meu sonho agora é este. Uma biscoitaria caseira, na minha própria cozinha. Não têm rótulo ainda (minha filha Anginha vai fazer), nem nome. Por enquanto eu os chamo de "Biscoitos da Monique".
E enquanto trabalho a massa na bancada de mármore da pia moldando os biscoitinhos, penso no meu livro - que parei de escrever. 
Mas isso tudo é por ele. 
É tudo por ele.